©2018 by Crítica e Diálogo. Proudly created with Wix.com

Homem de Lugar Nenhum

Foto de Luciã Lopes

 

 

Houve a estreia do espetáculo Homem de Lugar Nenhum no 14º Festival Palco Giratório, tive a honra de estar no segundo dia da temporada no Instituto Ling. Estava ansioso para ver dois nomes do teatro gaúcho em cena – Zé Adão Barbosa e Renato Del Campão – que trilham há anos pelos palcos gaúchos fazendo arte. Na noite do dia 11 estava presente para ver esses ícones do teatro, diante de mim uma pessoa que tenta dialogar com o público temáticas atuais e discursos necessários para nossa realidade. Fragmentos de da postura e ética e do comportamento humano, colocações que renderia horas e horas de discussões numa roda de amigos.

 

A proposta é um teatro atual, onde há pequenas cenas que são desenvolvidas no decorrer do espetáculo, cada qual com um tema específico e quase todos eles falando e remetendo a ironia e hipocrisia humana. Com um discurso político que tenta levar um diálogo provocativo ao público e também tratar sobre o amor em todas suas formas, os textos são colocados em ação a partir de construções estéticas através de manipulação de adereços e cenografia. Acredito que pelo palco do Ling ser muito estreito e a profundidade não favorecer as projeções que auxiliam algumas cenas, deixou o palco poluído tirando a magia da narrativa que tem um peso importante, ainda mais neste discurso forte e necessário.

 

A um diálogo em cena, percebemos o fluir das histórias e a presença das personagens em cada fragmento. Perdia-me algumas vezes na narrativa, pois ficava olhando o que se passava ao redor, pois estão em cena três atores convidados – João Petrillo, Caio Lopes e Artur Gaudenzi Luzardo – que compõem a cena e estão muitas vezes manipulam esses acessórios e o cenários e outras estão inseridos ativamente na cena, dando voz a alguns personagens. Lembro-me de um momento marcante das histórias, que foi quando todos lutavam para falar ao microfone, como se cada um quisesse o seu momento de fala e atenção. Remete ao momento que estamos passando onde todos querem ter suas vozes e opiniões expressadas e marcadas nas redes sociais. E não importa a opinião do outro, assim sempre lutando para estar a frente e tendo uma palavra ativa.

 

As narrativas apresentadas também questionam as ações das pessoas e suas posturas, que são fúteis e sem base. O homem está num momento instável, sem ter argumentos sólidos para ter uma compreensão intelectual. Essa sabedoria que só permite a existência se buscarmos conhecer cultural e socialmente nossa história e realidade. Quase como motivador a procura por esse conhecimento, é a proposta e questionamentos levantados por Um Homem de Lugar Nenhum. Um espetáculo que está na sua caminhada de amadurecimento e excelência, com atores que estão disposto a dialogar assuntos importantes e tentar assim mudar nossas reflexões para termos uma visão mais ampla e coerente do mundo.

 

Outra fato que me desperta atenção é a presença de dois atores consagrados dos palcos gaúchos e estarem dividindo o palco com outros três atores da nova geração. Essa troca e aprendizado enriquecedora que deve acontecer nos bastidores e ensaios, as histórias e conselhos que devem ouvir um do outro, ficaram para a memória. Ambos devem aprender um com o outro e desenvolverem um espetáculo atual mas com uma narrativa intensa e forte a ponto de querer despertar novos olhares.

 

Talvez por essa poluição de coisas em cena, deixou um distanciamento entre o público que na minha noite, não levantou para aplaudir o espetáculo. As palmas mostraram que não houve ponto motivador para a conexão entre narrativa e público.  Há um diálogo uma narrativa, uma interação. Tanto que compreendi muitos momentos a construção e ideia do projeto. E senti o desejo dos atores de estarem trazendo esses textos para nós, mas algo ficou perdido no meio para não haver uma aproximação do todo. Como disse anteriormente, fui no segundo dia da temporada e sei que teatro é um processo diário e a cada nova apresentação a um novo espetáculo. O amadurecimento do Homem de Lugar Nenhum está acontecendo e devemos estar dispostos a escutar essas narrativas que necessitam ser questionadas na atualidade.

Please reload

Our Recent Posts

November 11, 2019

November 1, 2019

October 21, 2019

Please reload

Archive

Please reload

Tags

Please reload