©2018 by Crítica e Diálogo. Proudly created with Wix.com

Através da Iris

April 4, 2019

 

 

Através da Iris é um espetáculo admirável. Não tem como não se comover com a atuação de Nathalia Timberg no palco do Theatro São Pedro em Porto Alegre. Não era só por estar diante de uma figura importante do teatro nacional, mas era devido a sua maestria em cena. Com seus 90 anos, Timberg trás presença no palco e segura do início ao fim a sua energia, conduzindo a plateia conhecer a história de uma senhora que através do seu humor conta lembranças e revivi momentos especiais da sua trajetória. Neste envolvimento faz o público emocionar e se encantar. Tenho a certeza que mesmo com suas limitações Nathalia mostra a responsabilidade de atuar e a particularidade que tens com a arte.

 

Num cenário criado em cima de um tablado, Nathalia se locomove pouco entre a poltrona e os outros objetos cênicos. Mas isso não a impede de usar sua sensibilidade para conquistar o público e permitir que conhecemos Iris. Na voz e no tom certo, conseguimos entender claramente esse espetáculo, que é mais que uma peça, um aprendizado. Vi diante de mim um amor pela profissão, pelo palco e pela arte. Ser atriz estava destinado no caminho de Timberg e não digo isso só pela a grandeza que carrega seu nome, mas afirmo essa colocação devido à genuinidade em cena. É raro ver pessoas que estão na mesma profissão há anos passar por inúmeras fases sombrias da arte e sua valorização, vivendo na pele tantas emoções que algumas nunca serão compartilhadas e mesmo assim estar ali, diante do público como se fosse sua primeira vez.

 

Parecendo quase uma brincadeira, Nathalia trás Iris com alegria e fervor. A personagem que tem quase sua idade, solta a voz e fala pelos cotovelos tudo que pensa, sem medir palavras, e mesmo assim não perde a classe. Com roupas extravagantes e muitos acessórios, Iris está dando uma entrevista que quase se torna uma conversa terapêutica. Suas observações sobre a sua vida e a maneira simples que coloca isso na sua conversa mostrar ao público uma forma amigável de levar a vida e construir sua carreira profissional. As frases filosóficas ditas pela voz da atriz poderiam ser essas frases compartilhadas nas redes sociais, com algumas imagens ou composição visual dando um brilho para as palavras. Só que as colocações ganham uma dimensão profunda devido à intensidade de como são ditas e fazem muito sentido quando escutamos, pois logo associamos suas colocações às nossas vidas. O que estou tentando dizer é que o espetáculo caminha sobre a sensibilidade que se perde nos caminhos humanos da personagem e chega até nós.

 

“Se você não é interessado, não é interessante”, “me ensinaram que se tivesse uma roupa preta e inúmeros acessórios, teria diversas roupas” ou “para estar bem vestido não bastar estar com uma boa roupa, deve ter educação e gentileza”. Frases interpretadas pela atriz, mas que vieram da percepção da roteirista ... O texto me provocou diversas vezes no decorrer do espetáculo que tinha a necessidade de anotar algumas falas, pelo simples conhecimento impregnado nelas. Mas acredito que todo esse deslumbre e paixão por esse espetáculo se dá pela humildade de Iris que mesmo sendo uma personagem bem sucedida não deixou o deslumbre afetar suas observações do mundo, do outro e de si mesma. Iris sempre soube que a vida deveria ser vista com humor, assim tornando a caminhada mais leve e prazerosa.

 

O teatro é para poucos. Os palcos te levam a um estudo contínuo do ser humano e suas ações. A arte está sempre em transformação, uma metamorfose profunda e que nos abrigar a ir além. Uma luta suada e poucos reconhecimentos sociais. Mas quem ama e necessita disso para viver, passa por isso com satisfação e faz dos obstáculos aprendizados pessoais. E tudo vira laboratório, que agrega na sua construção da personagem e no estudo das cenas. O respeito com o roteiro, direção, colega de cena e o público vai se lapidando e aprimorando a cada novo projeto. E quando vimos isso acontecer sentimos que estamos vendo na nossa frente uma mulher que já passou e ainda passa por tudo isso, todas as semanas e ainda faz e acredita no teatro pois necessita disso para sobreviver. Nathalia Timberg é um exemplo da transformação que o teatro pode operar na vida de alguém e leva para a cena a beleza e cicatrizes da atriz, mas nunca lhe falta amor e respeito pelo ofício e pelo teatro. Sabendo que ela soube iluminar com maestria a personagem Iris, também soube motivar outras pessoas que nunca devem desistir de atuar ou de acreditar no teatro. Por isso sobreviva até o final, leve seu último suspiro com responsabilidade na arte de atuar e emocionar.

 

 

Please reload

Our Recent Posts

November 11, 2019

November 1, 2019

October 21, 2019

Please reload

Archive

Please reload

Tags

Please reload