©2018 by Crítica e Diálogo. Proudly created with Wix.com

Voraz

March 13, 2019

Foto: Adriana Marchiori

 

Voraz é aquele tipo de comédia/drama inteligente que traduz a obsessão de relações entre pessoas e casos amorosos. As personagens de uma forma divertida, constroem suas narrativas com leveza e boas gargalhadas. Os atores sabiam muito bem qual o momento usar de referência cômica. O absurdo é que em cada cena sempre havia dois atores, e um dava a deixa para o outro. E nesse equilíbrio e respeito cênico, tanto dentro e fora dos palcos, nasceu uma forma humilde e louvável de fazer teatro na atualidade. Percebo que as companhias teatrais Indeterminada e Ato Cia Cênica conseguiram equilibrar seus ideais e unir forças para se fazer teatro. Não é o primeiro projeto que fazem juntos, mas entendo que ambas tem suas particularidades e ao mesmo tempo estão criando uma nova identidade nessa união.

 

Danuta Zaghetto a metamorfose cênica. Louise Pierorsan firme como rocha. Luiz Manoel sabe usar a intensidade a seu favor. Ander Belotto a fluidez presente. Mauricio Casiraghi a presença que basta. Este é o elenco que encontra contando essa história e suas maiores versatilidades no palco. Muitos já vi em outras produções e posso dizer que a cada novo encontro me surpreendo com os caminhos escolhidos. E outros vi pela primeira vez neste projeto e fiquei perplexo com suas iniciativas. Matheus Melchionna está cada vez mais mostrando as suas observações como diretor e executando projetos admiráveis. Esse elenco jovem está abrindo novos caminhos para o teatro gaúcho e irão perpetuar por um longo tempo, trazendo novas discussões de uma forma brilhante, como fizeram com Voraz.

 

O texto de Voraz exige uma insanidade absurda de cada personagem. As personagens apresentadas vão caminhando por situações que se tornam perigosas quando saem do controle de suas mãos. E nisso estamos falando de relacionamento – convívio e amorosos. E como eles não conseguem separar os acontecimentos com suas particularidades, acabam levando tudo para o lado pessoal e misturam com seus traumas da vida. E dessa forma as cenas se tornam maravilhosas e muito bem exploradas. O ator se permite a chegar numa neura corporal e mental que parecem loucos. A forma que isso é conduzida se torna agradável de vê por dois motivos. O primeiro é que toda ação deles não sai da realidade, não a uma ilusão criada sobre a situação, mas a representação fiel do que o homem faria naquela situação. Segundo a loucura de cada um.

 

Os atores se divertem em cena, via-se o prazer de estar fazendo Voraz. Ninguém estava preocupado em passar um texto ou uma ideia para o público. Só estavam mergulhados na narrativa e aproveitando o momento. Essa excitação deixou a peça com uma energia surreal e fez toda a diferença naquela noite. A insanidade humana é vista como algo ruim, mas Voraz mostrou o lado mais leve dessa loucura. O que me chama a atenção e a disciplina e concentração dos atores diante dessa alucinação. Pois ao mesmo tempo que deviam colocar seus corpos, suas vozes e ações como seres alucinados, deviam se manter no texto e em cena e ainda trazer o tom cômico em inúmeros momentos. Essa presença é totalmente vista por todos. A uma ligação entre esses atores, como que se no palco fosse o lugar da sua união. Reparando percebi que nas maioria das cenas havia dois, um sendo um deles explosivo e ou outro mais contido, como se fosse um equilíbrio para o fluir da narrativa.

 

E quando você acha que poderia esfriar, Voraz vai caminhando para a cena final do encontro de todos essas figuras loucas, juntos em cena. O que poderia ser um desastre de intensidade vira uma apreciação de disciplina minuciosa, o cuidado com esse encontro é feito com sabedoria para podermos ainda ter a intensidade de cada um e ao mesmo tempo ver o desfecho dessa história. Teatro é a exploração da cena, do texto, da comunhão do grupo e do encontro individual. O processo do ator e de uma companhia nunca tem fim e descobertas de desafios contínuos. E muito desses atores que estão em Voraz buscam essas propostas, pois estão em diferentes projetos cênicos com direções, colegas, roteiros e palcos variados. Assim estimulando suas percepções e formas de explorar e fazer teatro.

 

Estamos diante de uma nova era de atores do teatro gaúcho que já estão deixando suas marcas em Porto Alegre e veremos falar desses atores na história do teatro. Digo isso, pois estou acompanhando essas companhias e percebendo os seus anseios de manter o oficio vivo nos tempos atuais e sem medo de dizer ao mundo que são artistas e que acreditam na cultura. E por terem esse amor estão produzindo esses diálogos e reflexões tão calorosos que estão usando e explorando os espaços culturais da cidade e levando o público a se aproximar e abraçar suas ideias. Devido a esse convite tão esperançoso e delicado e percebo o perpetuar desses atores Voraz que usam sua insanidade para fazer arte.

Please reload

Our Recent Posts

November 11, 2019

November 1, 2019

October 21, 2019

Please reload

Archive

Please reload

Tags

Please reload