©2018 by Crítica e Diálogo. Proudly created with Wix.com

Orquestra de Brinquedo

September 5, 2018

 

 

 

          O teatro Pedro Parente recebeu algumas famílias na noite gelada do dia onze de agosto, que foram apreciar a Orquestra de Brinquedos. Ainda na entrada do teatro, as crianças estavam animadíssimas – todas que chegavam iam direto colocar a mão na maçaneta ou tentar abrir caminho e achar suas poltronas. Não viam a hora de iniciar o espetáculo. Em poucos minutos todos entraram e tomaram seus lugares e as crianças atentas ficaram esperando o inicio.

        Então viram os soldadinhos com seus instrumentos, marchando teatro adentro e ocupando o palco. Os olhinhos dos pequenos acompanhavam cada movimento das personagens e percebia-se que estavam conquistados desde o primeiro momento. Meu corpo tomava novas posições a cada musica tocada, o pé acompanhava o ritmo e algumas vezes saída da minha boca as letras de cada música. Ao meu lado havia uma família com duas meninas, que logo deixaram seus assentos e tomaram o corredor do teatro para usar como pista de dança. Recordaram quase todas as músicas tocadas pelo grupo e cantarolavam juntas. Os pais acompanhavam as filhas na diversão e animação.

            Era surpreendente ver a habilidade e criação dos músicos a partir de instrumentos inusitados, como brinquedos, utensílios diários e até alguns inimagináveis, como por exemplo uma buzina de bicicleta. Assim conseguiram retratar cantigas conhecido por todos, como “O Sapo Não Lava o Pé” e “Marcha Soldado”. Também trouxeram músicas regionais como “O Pezinho” e até arriscaram faixas de Beatles e Beethoven.

        O clímax do espetáculo é quando uma das soldadinhas é zombada pelos colegas ao errar um passo de dança e se esborrachar no chão. Nesta hora ela pega uma varinha mágica e controla os soldadinhos e seus instrumentos. As crianças que estavam no teatro vibram ao ver o poder nas mãos da soldadinha, que enlouquece os pequenos ao perguntar quem gostaria de manipular a varinha mágica. As crianças saltavam das poltronas com suas mãos levantadas querendo subir no palco e fazer parte daquela magia encantadora que estava diante deles. Dois sortudos subiram ao palco e conseguiram manipular os soldadinhos,criando novas composições e ritmos musicais. A varinha nas mãos dos pequenos parecia ter vida. A força e criatividade com que manipulavam ela, apontando para os soldados e finalizando os movimentos, era impressionante de ver. Mesmo de costas para o público percebia-se a alegria dos pequenos que estavam criando música sem saber.

        Mesmo com muitos lugares vazios, o público participou animadíssimo do início ao fim da peça – as palmas que acompanham o ritmo das músicas, as letras cantadas e os aplausos lotaram o teatro. A alegria das crianças não cabia naquele local, que parecia pouco para eles. No final, todos acompanhamos a marcha dos soldadinhos ate o hall de entrada do teatro para apreciarmos a última música. E ao término, os instrumentistas convidaram para uma foto e, neste momento, as crianças não tiveram nenhum pudor: correram para ficar entre os soldados e registrar esse momento.

       Este pode ser um exemplo de simplicidade e ludicidade, misturado com estudo e dedicação, que pode mudar a vida de uma criança e ainda conectar com a dos adultos. Havia pessoas que não estavam acompanhando crianças e também se envolveram na proposta apresentada. Isso mostra que Orquestra de Brinquedos é a confirmação que muitas vezes precisamos de pouco para despertar olhares encantadores dos seres humanos.

 

Foto: https://www.jornalnopalco.com.br/2018/05/20/orquestra-de-brinquedos-lanca-seu-primeiro-dvd-no-theatro-sao-pedro/

Please reload

Our Recent Posts

November 11, 2019

November 1, 2019

October 21, 2019

Please reload

Archive

Please reload

Tags

Please reload